Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

bela

ruínas.
apenas
nós
por
aqui.
olhar mais uma vez esses teus olhos de cigana.
não mais oblíqua e nem dissimulada.
de cigana apenas, que deseja ganhar o mundo
num giro de sua saia imaginária. num riso.
nessa sede inocente de me tirar de mim
e me por num mar de lembranças etéreas.
e eu fumo. fumo tudo. fumo com sede de me achar.
me achar nessas ruínas que eu lavo.
e de tão lavadas, são novas. brilhantes.
e no meu sonho tu veio dizer.
dizer que não era mais oblíqua.
que não era mais dissimulada. veio me roubar
aquela paciência divina que nunca tive.
perguntar se está tudo bem.
amaciar as pedras do mar.
Acalmar as névoas marítimas que envolvem
minha planície deserta.
e por mais que eu diga tudo,
escreva tudo
não digo.

trago águas passadas
pra regar o jardim
linhas ressecadas
para costurar
a meia furada.
açúcar para o café
que odeio tomar.

6 comentários:

  1. Belo é o que tu escreves, João ;)

    beijoo'o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belo é ver alguém lendo e gostando. ehueheuheu

      Excluir
  2. Sua proposta de continuação do textinho veio muito a calhar... Suas perspectivas das coisas me alegram! Semana produtiva por aí, meu amigo!! Abração, querido!

    ResponderExcluir
  3. Você tocou numa ferida linda e agora me faz chorar poesias. Salve a sua poesia, João, que de tão bela, é dolorosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não sei o que dizer. mas pra continuar com a brincadeira que comecei no seu blog, duas palavras: muito obrigado.

      Excluir

Ninguém é autossuficiente de pensamento.