Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

sábado, 21 de junho de 2014

aborto

não se desvia com a faca na mão.
sair da guerra com espada limpa.
sangrar os medos no ralo do
banheiro e a leveza da falta
de direção que todos os rumos
tomaram.

me cansa dormir
e acordar
para apenas
dormir novamente.

me cansa ler, acabar
e ler novamente.
esse fingimento absurdo
de que tudo continua
fazendo seu serviço.
nada mais tem espaço.
nada parece novo.

chegou o tempo
em que
até mesmo o nascimento
é morto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ninguém é autossuficiente de pensamento.