Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Longa, Longa vida

Migalhas espalhadas pelo chão
Do velho e esquecido porão
conversam sobre o dia cinzento
Ao som da previsão do tempo
que é dada na televisão

A voz da mulher do tempo
estragada pelo cigarro
de vez em quando é interrompida
pela buzina de um carro
guiado na estrada da vida

O Homem se levanta
e pega mais uma bebida
cobre-se com a manta
e coça a velha ferida
que ganhou de um espinho da vida

o homem de vestes sujas
assiste novela mexicana
paga algumas putas
come comida bacana
perde algumas lutas
e também pisa na poça de lama

De whisks e vinhos baratos
Sua roupa está embebida
também um pouco roída
pelos ratos
dos podres buracos da vida

O porão de amedrontar
Cheira forte a insetcida
disparado para matar
os insetos incertos
da densa floresta da vida

Assim o Homem vai vivendo
e logicamente aprendendo
Com cada migalha caída
Com cada carta lida
nessa longa
longa vida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ninguém é autossuficiente de pensamento.