Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Autolimpante

Há cigarros.
Muitos cigarros.
Mais de mil cigarros.
Todos dentro de sacos plásticos.
E como há sacos plásticos por aqui...
Há carros de todas as cores.
Os carros estão abarrotados
de gente suja e de filantropia
As pessoas carregam sacos plásticos
cheios de cigarro.

Chamaram Deus para resolver a equação,
mas havia muitas incógnitas.

Incógnito sou eu,
escondido por trás das cortinas.
O mundo seria um teatro?
Não conheço muitos atores...

Conheço gente que lota ônibus
que fede a cigarros e plástico queimado
Gente que sua sangue poluído
de asfalto e de filas de banco.

Conheço gente que canta a canção urbana
gente que mora no sétimo andar
e implora para o anjo bom
aconselhar no ouvido esquerdo 
que não se deve pular.

Incógnitos são os poetas.
O mundo tão risonho,
lotado de cigarros 
plástico e fumaça dos ônibus.
O mundo crescendo tanto para cima
e os poetas,
ah, os poetas
Estes crescem para dentro de si
devoram seus próprios corações
e acham que sabem de tudo

no fim das contas,
vão na rodoviária,
fumam mil cigarros, 
os jogam em sacos plásticos 
e saem a fumaçar.
Então eu fico na minha, 
pensando com meus botões.
Queimando meus neurônios
antes que os joguem num saco plástico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ninguém é autossuficiente de pensamento.