Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Pequeno gozo

Os pelos do meu peito
não sustentam minha poesia.
Minha poesia morre.

De onde venho nesse fim de tarde,
feito anjo caído, sem braços para me segurar?
Venho de um inferno.
Derretido e doentio.

As calçadas da cidade melancólica
não sustentam meu passo largo
Os céus enevoados e devoradores
não são palcos de nenhum de meus sonhos

Tenho uma camisa velha
que não me entra pelos braços.
Tenho uma dor antiga
que não cessa com você.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ninguém é autossuficiente de pensamento.