Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

domingo, 25 de agosto de 2013

A descoberta do Morro VI

A carroça segue intacta
a mercadoria ainda ilesa
passando pontes e valas
na vã incerteza do amanhã.
Já não tão intacto como o resto
segue o carroceiro de mãos vagas.
Tem apenas uma lembrança fosca
talvez um sibilo do mundo que leva.
Nestes cortes desolantes de poesia
a madrugada cerca minha calvície.
Nesses cortes traçados de linhas,
a madrugada cerca minha poesia.

Mãos calejadas. 
bacia dolorida.
Coluna maltratada.
cabeça mal resolvida.
Não aprendi ainda
a domar estes cavalos.

São os ossos
do ofício
e os meus
que se 
enterram
nessa
métrica 
sem 
rima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ninguém é autossuficiente de pensamento.