Páginas

Quem sou eu

Minha foto
Sou um mensageiro. E por muitas vezes sou também a mensagem.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Pumau - Sobre minha fé

Pumau Maori


Como uma duna: infinita.
impenetrável, inquebrável.
Caminhas todos os dias,
mas sempre acolhe a brisa
minha no mesmo lugar vazio.

Como o barulho das ondas: infinito.
E como um pescador observo o mar,
o movimento das marés.
Calculista e sublime.

Teu olhar também é infinito
na moldura inexistente da fotografia.
É como a aurora para o pescador.
A chuva dos peixes. Colheita da fé.

Onde andou, viveu e vivenciou
este olhar imaculado que me peca
no retrato?

O pecado da gula, de querer a engolir
e sugar tua força pra mim.
Como nas velhas tribos
maori.

A cidade nos engolia
e nós terminamos na
mesma digestão.
Nossos esgotos são os mesmos.
Nossa solidão se completa
e não nos deixa a sós.

Cadê os teus brinquedos?
Conte-me uma história de ninar.

Uma flor que causa dependência
química e psicológica. Esta é uma
metáfora para todos as carnes
e ossos que te compõem.

Se você me acordasse nas auroras
meu martírio não seria o sono.

3 comentários:

  1. por que você insiste em me deixar cada vez mais apaixonada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laisa, querida... Porque você insiste em se apaixonar por esse cara: o poço de incertezas e ingratidão?

      Excluir

Ninguém é autossuficiente de pensamento.